terça-feira, 25 de junho de 2013

O uso da água para produzir energia elétrica




A energia hidrelétrica é a obtenção de energia elétrica através do aproveitamento do potencial hídrico de um rio. Para que esse processo seja realizado é necessária a construção de usinas em rios que possuam elevado volume de água e que apresentem desníveis em seu curso.




A força da água represada é conhecida como energia potencial, essa água passa por tubulações da usina com muita força e velocidade, realizando a movimentação das turbinas. Nesse processo, ocorre a transformação de energia potencial (energia da água) em energia cinética (movimento das turbinas). As turbinas em movimento estão conectadas a um gerador, que é responsável pela transformação da energia mecânica em energia elétrica.
Normalmente as usinas hidrelétricas são construídas em locais distantes dos centros consumidores, esse fato eleva os valores do transporte de energia, que é transmitida por fios até as cidades.
A eficiência energética das hidrelétricas é muito alta, em torno de 95%. O investimento inicial e os custos de manutenção são elevados, porém, o custo do combustível (água) é nulo.

Dados – Água e Energia Elétrica:




A água total existente no planeta apresenta a seguinte distribuição: 97,5% – água salgada e 2,5% – água doce. Por sua vez, a água doce encontra-se nos seguintes percentuais: 69% em geleiras e neves eternas, 30% de água subterrânea, 0,7% em outras situações, tais como umidade do solo, pantanais e solos congelados, e 0,3% em rios e lagoas (Gleick, 1993). O Brasil, quinto país do mundo em superfície, possui 8% do total de água doce existente no mundo. Diante deste quadro verifica-se que, em nosso país, a fonte de energia mais abundante e de menor custo de geração tem sido de origem hidráulica.
                A geração de energia hidrelétrica mundial aumentou em 502 bilhões de kWh entre 1987 a 1996, com uma média anual de 2,5%. Segundo a World Energy Council (1996), Canadá, Estados Unidos, Brasil, China e Rússia foram os cinco maiores produtores de hidroeletricidade em 1996. A soma da energia hidrelétrica gerada por estes países representa 51% do total mundial (Figura 1). Na Tabela 1, é apresentada a energia gerada por hidrelétricas, por cada um destes países, no período de 1990 a 1996, e o total gerado no mundo em bilhões de kWh.
                De maneira geral, a produção de energia nas Américas Central e do Sul cresceu 8,8 quatriliões Btu entre 1987 a 1996, sendo que a produção de óleo bruto contribuiu para um acréscimo de 5,1 quatriliões Btu e a hidroeletricidade 1,8 quatriliões Btu.

Geração de energia

         

Atualmente, as usinas hidrelétricas são responsáveis por aproximadamente 18% da produção de energia elétrica no mundo. Esses dados só não são maiores pelo fato de poucos países apresentarem as condições naturais para a instalação de usinas hidrelétricas. As nações que possuem grande potencial hidráulico são os Estados Unidos, Canadá, Brasil, Rússia e China. No Brasil, mais de 95% da energia elétrica produzida é proveniente de usinas hidrelétricas.
                Na área de energia, a geração hidrelétrica garante a produção de 91% da eletricidade consumida no Brasil, o equivalente a um valor aproximado de 10 bilhões de dólares/ano, se computado somente o aferido na etapa da geração de energia (Freitas, 1998).

Potencial hídrico brasileiro

                O potencial hidrelétrico brasileiro conhecido, referente a janeiro de 1998, é de aproximadamente 260 GW, dos quais encontram-se em operação cerca de 22%, existindo portanto ainda um percentual de potencial hidrelétrico a ser aproveitado (ELETROBRÁS, 1999).
O Brasil, possuidor de 8% da água doce mundial, naturalmente é responsável pela manutenção e formação de uma consciência do uso racional deste recurso. O setor elétrico, o maior usuário da água sem caráter degradativo, mas como modificador do meio ambiente, possui um importante papel no gerenciamento dos recursos hídricos do país.

Consequências ambientais

  

Apesar de ser uma fonte de energia renovável e não emitir poluentes, a energia hidrelétrica não está isenta de impactos ambientais e sociais. A inundação de áreas para a construção de barragens gera problemas de realocação das populações ribeirinhas, comunidades indígenas e pequenos agricultores. Os principais impactos ambientais ocasionados pelo represamento da água para a formação de imensos lagos artificiais são: destruição de extensas áreas de vegetação natural, matas ciliares, o desmoronamento das margens, o assoreamento do leito dos rios, prejuízos à fauna e à flora locais, alterações no regime hidráulico dos rios, possibilidades da transmissão de doenças, como esquistossomose e malária, extinção de algumas espécies de peixes.


Rafael Vinicius e Henrique Bibas 2° ano - EM



Sistema de escoamento de água do Maracanã
A chuva não será problema para os torcedores no palco das finais da Copa das Confederações deste ano e da Copa do Mundo de 2014. Pelo contrário:  a Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop) garante que boa parte da água será reaproveitada na própria arena carioca, dentro dos banheiros.

O reaproveitamento da água nos banheiros


E o que fazer com toda a água que cair na cobertura em dias de chuva? Pelo menos metade dela será reaproveitada no próprio Maracanã, segundo a Emop. A água será captada e drenada por 60 calhas de concreto em um sistema de sucção a vácuo. Depois, seguirá para dois reservatórios subterrâneos com filtros para tratamento e posteriormente será direcionada para uso não potável nos banheiros.

Fonte:
http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-das-confederacoes/noticia/2013/03/sem-pocas-ou-baldes-cobertura-do-maracana-reaproveitara-agua-da-chuva.html

Anna Clara Ledo 2º ano - EM
Água e saúde pública

A água é essencial para o funcionamento biológico em todos os níveis, desde o metabolismo dos organismos vivos até o equilíbrio dos ecossistemas. Estima-se, no entanto, que cerca de 1,5 bilhões de pessoas não tenham, em todo o mundo, acesso a água de boa qualidade. Em 2002, 21 % da população dos países em desenvolvimento não tinham acesso continuado a fontes adequadas de água. Estima-se que cerca de 10 % da carga global de doenças seja devida à má qualidade da água e a deficiências na disposição de excretas e na higiene, como, impactos físicos diretos (ex. inundações em áreas povoadas) ou indiretos (ex. danos à produção de alimentos ou à infraestrutura de saúde, etc.). Situação no Brasil- No caso dos agravos relacionados à água, podemos definir as seguintes condições, dentre as mais importantes: 1. Diarreia infantil; 2. Doenças transmitidas por vetores: destacam-se a malária, praticamente restrita a ambientes modificados na região Amazônica (com cerca de 540 mil casos em 2006) e a dengue, mais importante nas grandes cidades, com cerca de 700 mil casos em 2008; 3. Esquistossomose: origina-se na contaminação fecal (por doentes) de corpos d’água como riachos, lagoas e açudes; 4. Leptospirose: geralmente ocorre como consequência da contaminação de águas de inundações urbanas pela urina do rato de esgoto, que contém a bactéria causadora. A maior epidemia já registrada no Brasil foi no verão de 1996, na cidade do Rio de Janeiro, com 1.790 casos e 49 óbitos.

   Lixos deixados na rua com enchentes

   




















Estação de tratamento de água Guandu



Larissa 2° ano - 2013

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Miragem

Miragem é um fenômeno óptico que ocorre em dias de muito sol e calor.
Elas são causadas pelo desvio da luz que é refletida por um objeto, com isso a miragem é um fenômeno físico real, ou seja, existe.
Essa imagem mostra uma miragem na estrada, que é normal acontecer quando a densidade e o índice de refração diminuem durante o aumento de temperatura.


O exemplo mais visto é o desta imagem da estrada de quando você está na estrada dentro de seu carro e vê o seu reflexo no chão como se estivesse sendo refletido em uma poça de água, só que tudo isso não passa de uma miragem.

Daltonismo

-O que é ?
É a dificuldade de enxergar certas cores.
O que causa?
O daltonismo pode ser de origem genética, mas também por dano nos órgãos responsáveis pela visão, ou dano de origem neurológica.
Tem cura ?
Não.
Tratamento?
Para o olho em si não a nenhum tratamento mas existem lentes que permitem diferenciar as cores, quando a luz passa através delas.
Quais são as cores mais difíceis de se enxergar ?
São o vermelho e o verde, e algumas das cores que descendem delas.
Por que esse nome?
Por ter sido John Dalton a ter estudado pela primeira vez essa “doença” , e uma curiosidade é que ele mesmo a tinha.
Curiosidades: pessoas daltônicas não conseguem distinguir o número em uma imagem como essa por exemplo:


Louise Daudt - 1º ano
Fontes:
1ª - http://pt.wikipedia.org/wiki/Daltonismo#Tratamento
2ª - http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/daltonismo/daltonismo-5.php

Astigmatismo.

O astigmatismo é causado pelo formato irregular do cristalino ou da córnea, fazendo com que a imagem seja formada em vários focos em eixos diferentes. O olhos de alguém com astigmatismo é oval, como uma bola de futebol americano, diferente de um olho “saudável” que é redondo. O formato oval faz com que a luz se refrate em vários pontos, em vez de um.

Quem sofre de astigmatismo enxerga os objetos desfocados tanto de perto como de longe. Os sintomas são fadiga ocular, dor de cabeça, e visão borrada. Cirurgia refrativa, óculos ou lentes de grau são os meios mais usados para a correção da vista.

Por: Letícia Gomes